Use o código e tenha 10% de desconto!

RSpec Crie especificações executáveis em Ruby

Mauro George

Conteúdo

Saber testar adequadamente as aplicações Ruby e Rails é um pré-requisito no mercado atual e, para isso, precisamos conhecer bem as ferramentas que podem nos ajudar nessas tarefas.

O RSpec é a biblioteca mais usada para criar testes e especificações para as aplicações Ruby; mas, junto dele, é preciso usar várias outras que também têm um papel fundamental.

Neste livro, Mauro George ensinará a escrever especificações com o RSpec e também a integrá-lo com bibliotecas como Factory Girl, WebMock, VCR e muito mais.

 

Sumário

  • 1 - O bom e velho RSpec
  • 1.1 - Bah, mas por que testar?
  • 1.2 - Meu primeiro teste, agora com RSpec
  • 1.3 - O tal do RSpec
  • 1.4 - A sintaxe de expectativa
  • 1.5 - Descrevendo bem o seu teste
  • 1.6 - Não teste apenas o ::happy path::
  • 1.7 - Definindo o sujeito
  • 1.8 - No dia a dia não se esqueça de ...
  • 1.9 - Conclusão
  • 2 - Testes que acessam rede... WTF!?!
  • 2.1 - Introdução
  • 2.2 - Consumindo uma API
  • 2.3 - WebMock ao resgate
  • 2.4 - Utilizando o cURL
  • 2.5 - Mas eu quero automatizar isso...
  • 2.6 - VCR??? É o videocassete de que meu pai fala?
  • 2.7 - Utilizando o VCR
  • 2.8 - Dados sensíveis no VCR
  • 2.9 - URIs não determinísticas
  • 2.10 - Conclusão
  • 3 - Fixtures são tão chatas! Conheça a factory_girl
  • 3.1 - Introdução
  • 3.2 - Instalação
  • 3.3 - Criando nossa primeira factory
  • 3.4 - Utilizando a factory
  • 3.5 - Factories nos testes
  • 3.6 - Sendo DRY
  • 3.7 - Atributos dinâmicos nas factories
  • 3.8 - Associações
  • 3.9 - Bah, mas só funciona com Active Record?
  • 3.10 - Conhecendo as estratégias
  • 3.11 - E quando as factories não são mais válidas?
  • 3.12 - Conclusão
  • 4 - Precisamos ir... de volta para o futuro
  • 4.1 - Introdução
  • 4.2 - Congelando o tempo com timecop
  • 4.3 - Removendo repetição
  • 4.4 - Rails 4.1 e o ActiveSupport<::Testing<:timehelpers li="">
  • 4.5 - Conclusão
  • 5 - Será que testei tudo?
  • 5.1 - Introdução
  • 5.2 - O falso 100%
  • 5.3 - Meu objetivo é ter 100% de cobertura de testes?
  • 5.4 - Mas e você senhor autor, quanto faz de cobertura de testes?
  • 5.5 - Conclusão
  • 6 - Copiar e colar não é uma opção!
  • 6.1 - Introdução
  • 6.2 - O shared example
  • 6.3 - Criando um Matcher
  • 6.4 - O shoulda-matchers
  • 6.5 - Matchers de terceiros
  • 6.6 - Conclusão
  • 7 - O tal dos mocks e stubs
  • 7.1 - Conhecendo o stub
  • 7.2 - Os dublês
  • 7.3 - Expectativas em mensagens
  • 7.4 - Matchers de argumentos
  • 7.5 - Um pouco mais sobre stubs, dublês e message expectations
  • 7.6 - Mockar ou não mockar?
  • 7.7 - Conclusão
  • 8 - Não debugamos com puts, certo?
  • 8.1 - Por um melhor console
  • 8.2 - Conhecendo o Pry
  • 8.3 - Conclusão
  • 9 - Conclusão

veja mais detalhes

Autor

Mauro George

Mauro George participa de um time ágil na HE:labs, no qual aplica eXtreme Programming no seu dia a dia, desenvolvendo soluções em Ruby/Rails. Nas horas vagas, contribui em projetos open source e, ainda, é apaixonado por vídeo games e é sócio do Estou Jogando, a maior rede social de Games do Brasil.

Dados do produto

Número de páginas:
160
ISBN:
978-85-66250-52-7

Compartilhe!

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter