Use o código e tenha 10% de desconto!

SOA aplicado Integrando com web services e além

Alexandre Saudate
Capa

SOA aplicado

"Agradeço à minha família, minha namorada e a todos os que acreditaram em mim — mesmo quando eu mesmo não acreditei."

Prefácio

SOA passa por integração, mas integração não é SOA

Por que me apaixonei pelo estilo de desenvolvimento baseado em SOA?

Há muitos anos, quando desenvolvia puramente para uma plataforma específica, fazer meu software se integrar a outro era praticamente um Jihad.

Essa necessidade começou a ficar mais forte quando precisava expor funcionalidades a clientes ou parceiros de negócio da companhia para qual prestava serviço, pois não poderia obrigar os seus desenvolvedores a utilizar nossa platorma e linguagem.

Imaginem uma startup como PayPal criando seu leque de APIs para parceiros de negócio poderem reutilizar suas funções básicas de gateway de pagamento, detecção de padrões de fraude etc. Faz sentido que as mesmas só sejam disponíveis a desenvolvedores Delphi? Provavelmente essa startup teria falido.

Diversas técnicas de integração começaram então a serem desenvolvidas, desde troca de arquivos com um layout específico, base do EDI, Eletronic Data Interchange, a "tabelinhas intermediárias", utilizadas erroneamente por diversas equipes. Mas voltando ao exemplo anterior, como faria uma chamada online a uma API? No caso de um e-commerce, atualmente preciso fazer o pagamento no mesmo instante, os compradores não querem mais esperar dias para saberem se sua compra foi ou não processada.

Cada dia mais, todos os processos começaram a se tornar online e acredito que esse impulso veio da concorrência de mercado entre as empresas, ofertando cada vez mais comodidade aos seus clientes.

Comprar um celular numa loja de uma operadora e esperar 3 dias para ser liberada a utilização é uma experiência pouco feliz. Se a concorrência começar a antecipar para 1 hora ou imediatamente, quem estiver fora desse contexto perderá uma massa considerável de novos clientes.

Então, fazer seu software responder online a muitas plataformas era uma tarefa árdua mas necessária!

Tecnicamente precisávamos lidar com questões como interface comum de comunicação a todas as linguagens e plataformas, protocolo para marshall e unmarshall dos objetos serializados, transação entre plaformas, segurança etc. Eram tantos detalhes para pensar — então me deparei com uma especificação regida por um comitê que vinha evoluindo desde 1991, e clareou diversas questões: Common Object Request Broker — CORBA.

Expor uma API online em CORBA, seria a solução para que diversos outros programadores pudessem usar minha função básica de gateway de pagamento, naquele exato instante, levando satisfação ao cliente final. Assim ele já teria a solução de seu pedido processado, já com resposta sobre seu crédito de forma imediata.

Então vem a pergunta, o que é SOA afinal? SOA, como chamamos aqui na SOA|EXPERT, é um acrônimo para Smart Oriented APIs, que nada mais é que produzir seu software com APIs ricas, "inteligentes" e poderosamente reutilizáveis, sendo que qualquer plataforma e linguagem possa fazer uso da sua funcionalidade. Isso é lindo!

Como tudo em tecnologia, sobretudo em desenvolvimento de software, as técnicas tendem a ficar mais fáceis de se implementarem. Ao longo dos anos, vamos tendo entendimento sobre como se fazer melhor e mais fácil, cortando uma série de burocracias e abstraindo do desenvolvedor complexidades demasiadas.

Por isso SOA não tem a ver com uma tecnologia específica. SOA é o conceito de modelar sua API inteligente, rica e poderosa para reutilização.

A tecnologia que utilizamos atualmente vem evoluindo rapidamente. Começamos com CORBA lá trás, e hoje utilizamos WebServices, o estilo arquitetural Rest, alguns outros modelos como AtomPub, WebSockets entre várias combinações possíveis numa arquitetura. (CQRS, OData etc. )

Começamos a definir patterns para os problemas mais comuns e esses vão evoluindo à medida que nosso entendimento fica mais claro, fazendo com que esse processo de desenvolvimento de APIs inteligentes seja mais simples e intuitivo para o desenvolvedor.

Atualmente, o mundo está totalmente interligado, diversos aplicativos nas redes sociais estão entrelaçados, fazendo uso das suas funções básicas de comunicação, por exemplo: Twitter. Aliás, hoje seus equipamentos twittam, seu Nike plus exibe seus dados de corrida nas redes sociais.

Startups utilizam mapas geográficos de fornecedores como Google Maps e não importam sua linguagem de programação ou plataforma. Todos podem se valer do esforço da equipe do Google e criar um FourSquare à partir dessa poderosa API de mapas.

Gosto de pensar que SOA é a socialização da sua API: torná-la social, democrática e com infinitas possibilidades de utilização, dando liberdade à criativade dos desenvolvedores.

Contudo, o que aconteceria se o Google Maps saísse do ar? Quantas startups e até mesmo aplicativos internos do Google seriam impactados?

Desenvolver esse tipo de API exige bastante responsabilidade do desenvolvedor, tanto na qualidade da mesma, quanto na manutenção do seu estado.

As tecnologias associadas a esse modelo de desenvolvimento, como ESB, BPEL, SCA, CEP, BRMS, BPM, BAM, Governança, entre outras, são resultado do estudo das mais amplas necessidades e servem para gerenciar as problemáticas e o ciclo de vida de uma Smart API.

Esse livro começará com os aspectos mais importantes, definição e modelagem da sua API utilizando dois modelos de desenvolvimento: Web Services Clássico e Restful, passando por integração com o framework Enterprise Service Bus.

Há ainda um conjunto grande de tecnologias que serão abordadas em futuros volumes, pois apesar de fazerem parte do ecossistema, são bem específicas e amplas para serem abordadas em um único livro.

Caso estejam um pouco curiosos sobre as siglas citadas, farei uma rápida explanação para contextualizá-los e colocá-los num roadmap de estudos:

- Como pego uma função de um sistema legado, mainframe ou ERP e a deixo simples para outros desenvolvedores acessarem? Infelizmente não podemos reescrever todos os softwares existentes de uma companhia, então vamos necessitar de um framework de integração, que aplique as melhores práticas: Enterprise Integration Patterns. O ESB é o framework dentro desse universo, que irá fazer a implementação desses patterns e tornar simples para o desenvolvedor a utilização de funções legadas.

- Como controlo um contexto transacional e dou rollback entre tecnologias distintas? Se estivéssemos somente em Java, poderíamos acionar o JTA. Contudo, como propago o rollback para .NET ou outras plataformas? A DSL BPEL resolve essa e muitas outras questões.

- Como construo novas regras de negócio, fazendo junção (Mashups) entre APIs de fornecedores externos? Essa é uma das infinitas possibilidades com um motor de regras: BRMS.

- Como controlo um processo de workflow entre APIs mescladas à intervenção humana? O BPM tornará simples essa tarefa e você não precisará perder noites pensando em máquina de estados, compensação etc.

Outras tecnologias ou conceitos associados ao universo SOA nascem das amplas possibilidades de termos nosso ecossistema aberto, como o BAM (Business Activity Monitoring), com o qual fica fácil monitorarmos o negócio do cliente em tempo real, já que temos APIs expostas e podemos colocar sensores nas mesmas para coletar dados.

Há tantas possibilidades dentro de SOA, até mesmo como construir uma aplicação distribuída para melhoria de escalabilidade e performance, já que na prática você está montando um sistema distribuído, e fazer melhor uso de cloud computing, pois esse estilo está intimamente ligado ao mesmo. Seria lidar com sistemas em real time com stream de eventos etc.

Contudo, é importante lembrar que apesar de todas as tecnologias citadas ao redor, SOA é na essência a modelagem de APIs e isso precisa estar claro a vocês.

Uma alusão que sempre passo em sala de aula: “SOA é uma API que brilha no escuro”. A brincadeira didática serve para enaltecer que é mais que uma simples integração. Integração por si só é levar informação de um ponto ao outro. Criar uma API que brilha é modelar pensando em diversas reutilizações, e plataformas e devices como TV digital, mobile etc.

O livro do meu amigo Alexandre Saudate é um ótimo ponto de início, principalmente aos desenvolvedores Java, pois tirou toda a burocracia dos livros tradicionais e, de maneira pragmática, mostra como se implementar seu sistema orientado a APIs sem rodeios.

Espero de verdade que você também se apaixone por esse estilo de desenvolvimento de software, pois não faz sentido mais desenvolvermos presos a uma única plataforma como se fosse software de caixinha, sem comunicação com o mundo lá fora.

Aos novos desenvolvedores, também gostaria de convidá-los a participar da nossa comunidade SOACLOUD - http://www.soacloud.com.br/, onde paulatinamente você poderá testar seus conhecimentos, expor dúvidas e novos pensamentos adquiridos através desse livro.

Boa leitura,

Felipe Oliveira

Fundador da SOA|EXPERT.

Introdução

Comecei a programar de forma relativamente tardia, por volta dos quinze anos. Aprendi num curso técnico em informática a linguagem Visual Basic 6. Quatro anos depois, passei a trabalhar com programação profissionalmente, com a mesma linguagem que aprendi no meu curso técnico. Desde então, notei que os sistemas que desenvolvia eram monolíticos, e outros sistemas só podiam interagir com estes através de mecanismos arcaicos, como escrita de arquivos em pastas específicas ou diretamente pelo banco de dados.

Em fevereiro de 2008, eu comecei a trabalhar em uma pequena consultoria de São Paulo. Esta consultoria estava começando a encerrar o foco de suas atividades em JEE, e readaptando este foco para SOA — Arquitetura Orientada a Serviços.

Você pode se perguntar: qual a diferença?

Para leigos, não existe muita. Porém, à medida que você se envolve com este tipo de arquitetura, percebe que muitas decisões devem ser tomadas por esta simples mudança de foco. Ao expor serviços como foco de suas aplicações, muitas decisões devem ser tomadas: o que expor como serviços? Como expor? E, mais importante, por quê?

O foco deste livro é responder, principalmente, a como expor web services. A proposta é fornecer a você, leitor, os insumos para que possa prosseguir suas próprias investigações a respeito de SOA e descobrir a resposta para outras questões.

 

Do que se trata o livro?

 

Este livro está dividido em nove capítulos.

O capítulo um apresenta a motivação para uso de web services. Também mostra como realizar a criação de um web service simples em Java, assim como o consumo do mesmo, tanto em Java quanto em uma ferramenta de mercado chamada SoapUI.

O capítulo dois mostra detalhes dos mecanismos envolvidos na comunicação realizada no capítulo um. Ele detalha a estrutura do WSDL, SOAP e XML Schemas.

O capítulo três mostra como adaptar os documentos apresentados no capítulo dois para suas necessidades. Ele mostra com mais detalhes as APIs Java que regem o funcionamento destes mecanismos, ou seja, JAX-WS e JAXB.

O capítulo quatro mostra como tirar proveito de servidores de aplicação para realizar a implantação de seus web services. Além disso, mostra como aliar a tecnologia envolvida em web services com conceitos de JEE, como Enterprise JavaBeans.

O capítulo cinco mostra uma abordagem diferenciada para criação e consumo de web services — os serviços REST.

No capítulo seis, você irá aprender a instalar e configurar mecanismos de segurança nos serviços, tanto clássicos (WS-*) quanto REST. Você verá, também, o primeiro modelo de integração entre um serviço WS-* e REST.

No capítulo sete, você verá alguns dos design patterns mais importantes de SOA: modelo canônico, desenvolvimento contract-first e serviços assíncronos (com WS-Addressing).

No capítulo oito, você verá como instalar, configurar e utilizar o Oracle Service Bus, um dos principais Enterprise Service Bus da atualidade.

No capítulo nove, você verá como instalar, configurar e utilizar o Oracle SOA Suite, estando habilitado, então, a utilizar o Oracle BPEL.

 

Recursos do livro

 

Todo o código fonte deste livro está disponível no meu github: https://github.com/alesaudate/soa. Caso você tenha dúvidas adicionais/ sugestões/ reclamações sobre o livro, você pode postá-las num grupo de discussão específico, localizado em https://groups.google.com/forum/?fromgroups=#!forum/soa-aplicado.

Boa leitura!

Sumário

  • 1 - Começando um projeto SOA
    • 1.1 - Coisas inesperadas acontecem!
    • 1.2 - Formatos de arquivos: CSV
    • 1.3 - Discussão sobre formatos: linguagens de marcação
    • 1.4 - Qual camada de transporte utilizar?
    • 1.5 - E agora, como testar um serviço?
    • 1.6 - Crie o primeiro cliente Java
    • 1.7 - OK, e o que um web service tem a ver com SOA?
    • 1.8 - Sumário
  • 2 - Entendendo o fluxo de dados
    • 2.1 - Como funciona a estrutura de namespaces do XML
    • 2.2 - Conheça o funcionamento do SOAP
    • 2.3 - Entenda o enorme WSDL
    • 2.4 - A definição dos tipos e a seção types
    • 2.5 - A necessidade da seção messages
    • 2.6 - A seção portType
    • 2.7 - A diferença entre os WSDLs abstratos e concretos
    • 2.8 - A seção binding
    • 2.9 - Definição dos endereços com a seção service
    • 2.10 - Finalmente, o que aconteceu?
    • 2.11 - Customize a estrutura do XML com o JAXB
    • 2.12 - Resolva métodos de nomes iguais e adição de parâmetros
    • 2.13 - Envie a requisição pelo cliente
    • 2.14 - Sumário
  • 3 - Novos desafios e os ajustes finos para controles de exceções e adaptação de dados
    • 3.1 - Customize o sistema de parâmetros
    • 3.2 - Conheça o sistema de lançamento de exceções
    • 3.3 - Customize a sessão de detalhes
    • 3.4 - Customize ainda mais o lançamento de exceções
    • 3.5 - Embarcando mais a fundo no JAXB
    • 3.6 - Tire proveito de adaptadores
    • 3.7 - Trabalhe com JAXB usando herança
    • 3.8 - Trabalhe com enums
    • 3.9 - Modele suas classes com comportamentos de negócio e mantenha-as mapeadas com JAXB
    • 3.10 - Sumário
  • 4 - Embarcando no Enterprise - Application Servers
    • 4.1 - Como usar um Servlet Container - Jetty
    • 4.2 - Introdução a EJBs
    • 4.3 - Habilitando persistência e transacionalidade
    • 4.4 - Um novo sistema
    • 4.5 - Sumário
  • 5 - Desenvolva aplicações para a web com REST
    • 5.1 - O que é REST?
    • 5.2 - Entenda o HTTP
    • 5.3 - URLs para recursos
    • 5.4 - Métodos HTTP e uso de MIME types
    • 5.5 - Utilização efetiva de headers HTTP
    • 5.6 - Utilização de códigos de status
    • 5.7 - Utilização de hipermídia como motor de estado da aplicação
    • 5.8 - Como desenvolver serviços REST
    • 5.9 - Mapeamento avançado: tratando imagens
    • 5.10 - Incluindo links HATEOAS
    • 5.11 - Testando tudo
    • 5.12 - Programando clientes
    • 5.13 - Sumário
  • 6 - Segurança em web services
    • 6.1 - Ataques: Man-in-the-middle e eavesdropping
    • 6.2 - Proteção contra interceptação com HTTPS
    • 6.3 - Usando mecanismos de autenticação HTTP
    • 6.4 - Habilitando segurança em aplicações REST
    • 6.5 - Conhecendo WS-Security
    • 6.6 - Ajustes de infra-estrutura
    • 6.7 - O callback de verificação da senha
    • 6.8 - A atualização do serviço de usuários
    • 6.9 - A implementação do método de busca
    • 6.10 - Realize a comunicação entre os dois sistemas
    • 6.11 - Testes com SoapUI
    • 6.12 - Crie o cliente seguro
    • 6.13 - Sumário
  • 7 - Design Patterns e SOA
    • 7.1 - Integração versus SOA
    • 7.2 - O Modelo Canônico
    • 7.3 - Desenvolvimento contract-first
    • 7.4 - Serviços assíncronos com WS-Addressing
    • 7.5 - Sumário
  • 8 - Flexibilizando sua aplicação com um ESB
    • 8.1 - Como instalar o Oracle WebLogic e o OEPE
    • 8.2 - A instalação do OSB
    • 8.3 - Configuração do OSB
    • 8.4 - Conceitos do OSB
    • 8.5 - Crie uma rota no OSB
    • 8.6 - Sumário
  • 9 - Coordene serviços com BPEL
    • 9.1 - Conheça orquestração e coreografia
    • 9.2 - instale o Oracle SOA Suite
    • 9.3 - Instale o JDeveloper
    • 9.4 - Introdução a BPEL
    • 9.5 - Sumário
  • 10 - Conclusão

    Dados do produto

    Número de páginas:
    319
    ISBN:
    978-85-66250-15-2
    Data publicação:
    10/2012

    Compartilhe!

    Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter